Just another WordPress.com site

Archive for Outubro, 2015

Quando for altura…. sairemos do abrigo!

10835471_786911071379929_7383935088098753268_o

Quando o barulho reduz, quando a brisa começa a chegar… fecho os olhos, sinto que nada está perdido, por segundos, breves segundos, a minha pele renasce e nela revejo todos os momentos, todos os sorrisos, todas as manhãs de verão que me davam energia para o frio inverno..Este é um momento de reflexão, revejo a minha vida, as minhas batalhas, as derrotas que me fizeram crescer, e as vitórias que me fizeram ser feliz, revejo o meu olhar e o meu sorriso, engraçado como as perspectivas mudam, como nos mudamos consoante o nosso estado de espírito e experiência de vida…Crescemos, e connosco cresce o medo e a revolta, porque demos tudo e ficamos sem nada, agora penso…. “Será que algum dia chegamos a ter realmente alguma coisa ?”, muito provavelmente não, mas não faz mal, a vida é mesmo assim e a ilusão faz parte deste processo evolutivo, do qual somos as maiores cobaias de nós mesmos e sabem… O perdão faz parte, perdoei-me a mim mesma, por todos os erros que cometi em mim, por todas as vezes que me meti em causa e duvidei das minhas capacidades, perdoei-me por todas as vezes que derramei as minhas lágrimas, e desperdicei os meus sorrisos verdadeiros com pessoas que apenas me tiravam o amor que tinha, o meu amor próprio. Mesmo não conseguindo voltar a ser o que sempre fui, uma miúda frágil, doce, sempre a sorrir para tudo e todos, agora tenho um abrigo novo, o meu abrigo, e com ele tenho força para derrubar os meus maiores medos, o medo de voltar a cair na tentação, de voltar a perder sorrisos, de voltar a fazer um mau investimento, não nos outros, mas em mim, quando nos desiludimos com alguém, como costumamos dizer “ele//ela é que perde, ficou sem mim!”, é mentira, quem perdemos fomos nós, perdemos um pouco da percentagem de esperança que tínhamos, de achar que éramos felizes, perdemos um pouco de amor próprio, em alguns casos perdemos demasiado amor próprio, que colocamos em causa a nossa força interior, tudo passa, até nós nos passamos … e um dia chega, chega de olhar para o passado, chega de nos culpabilizarmos, chega de nos julgarmos pelas nossas escolhas e vontades, chega de viver em memórias que nos tiraram o chão e a vontade de sorrir quando acordamos pela manha.

Está na altura de ficar no abrigo e só vamos sair de lá quando a nossa consciência se despir e deixar no chão do quarto o medo de viver, quem vive com medo não vive… sobrevive, e ninguém merece se sentir assim… Pensa, foca-te em ti, nos teus objectivos, na tua força, no que te motiva, a pouco e pouco, ganhamos coragem, porque sim é precisa muita coragem para sair deste abrigo, porque é o que mais tememos, voltar a cair, voltar a ser alvo de julgamento, voltar a estaca 0.

O maior defeito da humanidade, é achar que os outros nos dão o que precisamos, e por isso começamos desde que nascemos a chorar por atenção, a pedir amor, a dedicar a nossa vida a quem muitas das vezes só nos usa para enaltecer o ego. A vida é uma gigante montanha, com muitos pedregulhos (obstáculos), algumas plantinhas verdes(esperança) e milhares de pequeninas pedras preciosas (amor), por isso tenho a certeza, que cada um de nós a sua maneira, quando for altura, sairemos do abrigo e nessa altura… o nosso brilho renascerá e mais um dia passará só assim se volta a viver.

Márcia Correia (MC)

Beijinhos, Com muito amor e vontade de sair do abrigo ❤

Nuvem de etiquetas